Arquivo | julho, 2010

Show solo do Teco Martins (Vocalista do Rancore)

29 jul
Por Caio Duarte (@caloko777)
No dia 15 de agosto, o vocalista da banda Rancore, fará um show solo no Parque Celso Daniel, em Santo André!
A apresentação será desplugado, ou seja, somente ele e o violão. Será de graça pra poder curtir o som, mas pede-se que leve de 5 a 10 reais, pra ajudar nos custos com as despesas do cantor.
O Teco costuma tocar em praças, parques, etc. Sempre em apresentações solo, junto de seu violão.
Pra quem ainda não conhece o projeto solo do artista, vai lá no myspace dele!
O Parque Celso Daniel (conhecido como DUQUE) Fica Na Av. Dom Pedro II, 940. Horário: 16:00

Anúncios

Switchfoot, além do preconceito

28 jul

Por Laís Aloise (@lala_aloise)

Conhecidos por ter sua música “Only Hope” tocada no filme “A walk to remember”, e outras participações em trilhas sonoras, começaram em San Diego nos anos 90.

Os irmãos Foreman e Butler, impulsionados pelo surf e rock, jamais imaginavam um dia serem indicados ao Grammy. “Crescemos em San Diego, meus heróis então eram as bandas que tinham vendido 30 mil discos talvez”, diz Jon Foreman, o vocalista do Switcfoot. “Eu nunca tinha visto U2, por isso essas foram às bandas que me deram a perspectiva de como um show de rock era grande.”

Em 1997 a banda lançou seu primeiro álbum, The Legend of Chin, seguido em 1999 pela New Way to Be Human, um álbum que marcou a estréia da banda no “Billboard Heatseekers “(em # 31). Desde o início, a banda colocou o pé na estrada, construindo uma base de fãs cada vez maior a cada turnê.

Foreman, que é sempre simpático com a imprensa, procura ser cauteloso em suas entrevistas. A banda, que já foi muito criticada por ter princípios cristãos, não acredita em vender sua fé. “Minha opinião sobre o fato de sermos ou não uma banda cristã é de que esta não é uma coisa que nós decidimos, já que as pessoas nos chamarão do que elas quiserem nos chamar. Eu só acho que não assino embaixo desse rótulo.” esclarece o vocalista.

Com 7 cds lançados, os músicos californianos se preocupam em servir ao público. “Se você se apresenta ao mundo vestindo um avental de servo, você poderá ir a lugares que não iria usando a coroa de um rei”.

Com um som característico dentro da cena indie, misturando o surf e um rock mais leve, cantam o que realmente importa para eles. Sentimentos cotidianos, política, amor e confiança em Deus.

A boa notícia para os fãs é a vinda, pela primeira vez, do Switchfoot ao Brasil. Fazendo três apresentações em Setembro: dia 16 em São Paulo, 17 Ribeirão Preto e 18 Goiania. Os ingressos já estão à venda pelo site da ticketbrasil e os preço variam de R$ 200,00 a R$ 60,00.

Dando meus pitacos pessoais, se você ao ler a palavra cristã no meio do texto já torceu o nariz, não faça um pré-julgamento. Vou deixar o link de uma das minhas músicas favoritas deles e tenho certeza de que você vai se surpreender.

Switchfoot – Enough to let me go

Se você também quiser conhecer um pouco mais do Switchfoot, recomendo o blog de um amigo, que publicou uma entrevista completa e bem legal com a banda.

Introdução ao Rock Progressivo – Parte I

28 jul

Por Alessandro Martins (@sukitaaa)

A série “Introdução Ao Rock Progressivo”, tem o intuito de fazer os leitores do Som Que Provoca,  se interessarem mais pelo estilo. Em cada parte, postarei um álbum indispensável do gênero.

Apenas um aviso antes de iniciar : Nem perca o seu tempo baixando apenas 2, 3 musicas do álbum, já que a grande graça do progressivo, é o conteudo completo da obra.

O Rock Progressivo

Rock Progressivo. Uma descoberta musical que mudou completamente meus gostos, e minha maneira de analisar canções.

Suas principais marcas? A grande influência da música classica e do Jazz,  além de letras e melodias complexas, quebras de tempo e musicos virtuosos.
A primeira banda que me introduziu a este maravilhoso gênero musical, foi o Pink Floyd. Mesmo havendo controversias de que a banda seria mais puxada para a Psicodelia (o que de fato era, nos tempos de Syd Barrett) ela continua sendo o meu portal de entrada para o prog-rock.

Por onde vamos começar?

Como dito no primeiro parágrafo, colocarei um álbum indispensável por postagem, e darei início com um álbum da banda Genesis. Mas primeiro, vamos falar um pouco sobre a banda :

O Genesis é uma banda britânica formada em 1967 por Peter Gabriel (Vocalista), Tony Banks (Teclados) e Mark Rutherford (Baixo), Anthony Phillips (Guitarra) e John Silver na bateria. Em 1970, os dois últimos, foram substituídos por Steve Hackett e Phil Collins, respectivamente, completando a formação clássica da banda.

A banda Genesis

Peter Gabriel adotava um estilo teatral muito diferente para a época. O que mais chamava a atenção, eram as diversas fantasias vestidas por Gabriel, de acordo com a musica que a banda tocaria. Esses diferenciais
atrairam os holofotes de todo o mundo, para o Genesis, que se tornou uma das bandas de maior sucesso na história do Rock Progressivo.

O Album da Vez :

Selling England By The Pound (1973)



  1. “Dancing with the Moonlight Knight” – 8:02
  2. “I Know What I Like (In Your Wardrobe)” – 4:07
  3. “Firth of Fifth” – 9:35
  4. “More Fool Me” – 3:10
  5. “The Battle of Epping Forest” – 11:49
  6. “After the Ordeal” – 4:13
  7. “The Cinema Show” – 11:06
  8. “Aisle of Plenty” – 1:32

Não tenho nem palavras pra descrever esta obra prima. As melodias são incrivelmente bonitas e criativas. Mostra o poder das composições do Genesis, apesar de que para mim, o grande diferencial deste álbum em particular, são as teclas de Tony Banks.

Os principais hits são “The Cinema Show” e “Fifth of Fifth”, mas lembre-se da recomendação que dei no primeiro parágrafo : BAIXE O CD INTEIRO PORRA! Hehehehehe
Mesmo assim, deixarei um link do youtube para nossos queridos leitores conhecerem o que vão ouvir :


Bom, ja escrevi demais. E para finalizar esse post, digo: Para todo grande fã de boa  música, conhecer o Progressivo é indispensavel. As genialidades e maravilhas desse estilo não podem ser encontrados em nenhum outro.
Um grande abraço a todos.

Saosin sem vocal!!

27 jul

Por Everton de Andrade (@Japasujo) – Créditos ao @caloko777 que me informou da notícia!

O guitarrista, Beau Burchill, da banda de Post HardCore, Saosin, anunciou a saída do vocalista Cove Reber.

A notícia foi dada através do mural de recados oficial da banda, que dizia:

“1. Eu trabalhei com tantas bandas mixando e produzindo seus trabalhos, e tenho amado isso. Estou finalmente pegando o jeito da coisa, vai ser um verdadeiro milagre eu me separar de tudo para finalizar um disco do Saosin.

2. A gente está sem gravadora, isso significa que a gente pode fazer o que quiser. Não vamos nos preocupar sobre quais músicas serão singles, ou quantos discos vamos ter que vender. Vai ser legal. Mais ou menos como nos dias de Translating The Name.

3. Não vamos ter câmeras em cima da gente o tempo todo.

4. Depois de 5 anos com o Cove a gente decidiu tomar caminhos distintos. Vai ser uma nova experiência para nós, a gente não sabe como o novo vocalista se comportará, ainda não temos um substituto, e nem sabemos se vamos encontrar um substituto para ele nesse século.

é isso por enquanto. – Beau ”

A banda julgou ser uma boa essa separação, dizendo que pode render uma nova experiência.

Cove Reber, é o segundo vocalista da banda. O primeiro, Anthony Green, saiu em 2004 e hoje toca na Circa Survive.

Enjoy.

Churrasco de Galinha!

23 jul

Por Everton de Andrade.

Na essência do HardCore, a banda BBQ Chikens, vai disseminando seu som pelo mundo.

A banda é japonesa, mas suas músicas são todas em inglês. As letras falam desde assuntos normais do dia-a-dia, até coisas meio sem noção, como por exemplo a música Big Mac, que só fala do lanche mesmo. Eles não seguem a linha das bandas mais famosas do Japão, mas mesmo assim, vem conquistando um espaço muito grande no meio Underground, na terra do Sol-nascente.

Outra característica da banda, é a duração das suas músicas, que dificilmente passam de 2  minutos cada uma, os Clipes que tem na internet, geralmente têm duas músicas juntas!

Essa é uma das poucas bandas japonesas que eu ouço e indico. Em breve farei uns posts falando mais de J-music, mas até lá fiquem com essa ótima banda de Punk/HardCore!

Enjoy.